terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Tu não sentes






TU NÃO SENTES!

Tu não sentes!  Tu tornou-me inferno
Pallhas e uma rocha se fazia evidente
Entre escombros e mágoas, o eterno
Silêncio, unguento vivo do penitente 

Mas tu nasceste comigo,e consterno
Densa, intensa e me faz descontente
És furiosa,delicada mas me faz terno
Tempo- morte e revela-se sorridente

Mas  transforma-se, me faz superno
Quando procuro-te, e sou descrente
Sou poeta , sem garras e te proterno

Tua matiz, passo de luz onde alterno
O negro da alma,mas tu me ressente
A caça do nada, na rocha meu averno

Ricardo Vichinsky




3 comentários:

  1. Belíssimo, Ricado!
    Poema e música em sinergia.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Foi um grande prazer conhecer seu blog.Aproveito meu tempo para navegar e ler textos e poemas feitos por pessoas que gostam de escrever.
    Que bom que você é uma delas.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  3. Belo texto..
    Gostaria de estar te convidando a conhecer meu blog.. diiariodocediario.blogspot.com

    ResponderExcluir