domingo, 29 de julho de 2012





Quem tu és?

Mas quem tu és?  Por ti vago no insano.
   Sou  chama brasa, lava, cinza e o nada
   Se faz  fome, liberdade, doce e profano
   És cintilância, e assim sempre alucinada

Me leva as alturas , nunca um cotidiano
   E busco teu canto, na carne aprisionada
   Surdo a teus anseios e me faço humano
   Com teu visgo e saliva, nunca eliminada

Desejo! Te faço  carne e osso, mundano
   Tomo-te! Sem descanso, a carne ornada
   Pelas lidas,  e te fiz penhasco, sem dano
   Sem outros  rastros, a tua face iluminada

Cheia de malicia, com beleza e extasiada .
   Escorrendo com o gozo, que se faz nada

2 comentários:

  1. Harmonioso
    Agradavel.
    CONVITE
    Passei por aqui, para lê o seu blogue.
    Admirável. Harmonioso. Eu também estou montando um. Não tem as Cores e as Nuances do Vosso. Mas, confesso que é uma página, assim, meia que eclética. Hum... bem simples, quase Simplória. E outra vez lhe afirmo. Uma página autentica e independente. Estou lhe convidando a Visitar-me, e se possível Seguirmos juntos por Eles. Certamente estarei lá esperando por você, com o meu chapeuzinho em mãos ou na cabeça.
    Insisto que vá Visitar-me, afinal, o que vale são os elos dos sorrisos.

    www.josemariacosta.com

    ResponderExcluir
  2. Maravilha, Ricardo!
    Eis q voltei das andanças fotográficas, exposição, elaboração de projetos..., ufa, não sei qnt tempo durará essa maresia.
    Beijos.

    ResponderExcluir